O casamento da Camila

Casamento

Mas logo a Camila quis tudo saber.
– Como é que a coisa vai acontecer?

Foi então que os preparativos para a festa começaram.
Foram convidados todos os amigos das escolas e jardins assim como muitas das aves do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.

Logo o melro preto veio a assobiar:
– Serei eu o padre que vos vai casar.

– O senhor prior já nós temos cá.
– E o sacristão então quem será?

 Lá chegou o gaio com o vinho e o pão:
– Ora aqui estou eu, o vosso sacristão.

– Senhor sacristão, bem-vindo é cá.
– O padrinho do noivo então quem será?

 Vinha o guarda-rios a sair do ninho:
– É claro, sou eu, do noivo o padrinho.

– Padrinho do noivo já nós temos cá.
– E a tua madrinha, então quem será?

 Veio a perdiz a correr da vinha:
– Estou pronta para ser a sua madrinha.

– Madrinha do noivo já nós temos cá.
– E a minha madrinha então quem será?

 Veio a voar a rola meiguinha:
– Olha aqui, Camila, sou tua madrinha.

– A tua madrinha também já cá está.
– E o meu padrinho então quem será?

 Pôs-se o pombo-torcaz logo a arrulhar:
– Sou eu quem te leva até ao altar.

 – Padrinho da noiva o pombo será.
– E o meu vestido quem o talhará?

 Veio logo a poupa de bico afiado:
– Teu lindo vestido está quase acabado.

– Tua costureira a poupa será.
– E o nosso banquete quem cozinhará?

 Ouviu-se a carriça lá dentro a arear:
– Já lavei os tachos para cozinhar.

– Temos cozinheira, também veio já.
– E no bailarico quem é que cantará?

 Veio o rouxinol de voz afinada:
– Tereis para o baile música animada.

 – Já está a ensaiar o dó-ré-mi-fá.
– Para o acompanhar, quem é que tocará?

 Veio o pintassilgo, veio o tentilhão,
Veio o pintarroxo mais o verdilhão:

 – Trazemos rabecas, a gaita e o pandeiro
Para fazer a festa por pouco dinheiro.

– O senhor prior já nós temos cá.

– E o sacristão então quem será?

 Lá chegou o gaio com o vinho e o pão:
– Ora aqui estou eu, o vosso sacristão.

 – Senhor sacristão, bem-vindo é cá.
– O padrinho do noivo então quem será?

 Vinha o guarda-rios a sair do ninho:
– É claro, sou eu, do noivo o padrinho.

 – Padrinho do noivo já nós temos cá.
– E a tua madrinha, então quem será?

 Veio a perdiz a correr da vinha:
– Estou pronta para ser a sua madrinha.

– Madrinha do noivo já nós temos cá.
– E a minha madrinha então quem será?

 Veio a voar a rola meiguinha:
– Olha aqui, Camila, sou tua madrinha.

– A tua madrinha também já cá está.
– E o meu padrinho então quem será?

 Pôs-se o pombo-torcaz logo a arrulhar:
– Sou eu quem te leva até ao altar.

– Padrinho da noiva o pombo será.
– E o meu vestido quem o talhará?

 Veio logo a poupa de bico afiado:
– Teu lindo vestido está quase acabado.

– Tua costureira a poupa será.
– E o nosso banquete quem cozinhará?

 Ouviu-se a carriça lá dentro a arear:
– Já lavei os tachos para cozinhar.

– Temos cozinheira, também veio já.
– E no bailarico quem é que cantará?

 Veio o rouxinol de voz afinada:
– Tereis para o baile música animada.

– Já está a ensaiar o dó-ré-mi-fá.
– Para o acompanhar, quem é que tocará?

 Veio o pintassilgo, veio o tentilhão,
 Veio o pintarroxo mais o verdilhão:

– Trazemos rabecas, a gaita e o pandeiro
 Para fazer a festa por pouco dinheiro.

– Músicos já temos para o cha-cha-chá.
– E os nossos convites, quem os aceitará?

A alvéola cinzenta trouxe o papa-figos.
Veio a toutinegra mais os seus amigos.

Veio a gralha preta, toda de cetim.
Veio o pica-pau, o tordo e o chapim.

A fechar a roda, o pardal do telhado.
E até veio o cuco sem ser convidado.

Camila suspira; que feliz que está.
E diz pró Camilo: Casaremos já!

casam7

 

 

 

Deixe uma resposta